Facebook
TEMPO ASSÚ
Céu quase limpo
26°C
 
8 de janeiro de 2018 - Em:

Responsável pelo Setor de Imunizações explica mudanças no atendimento

A partir do dia 2 de janeiro uma série de inovações passou a vigorar na esfera Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização – SI-PNI e estas mudanças também se observaram na cidade do Assú. É o que explica a técnica Kadidja Paiva (foto), que coordena o Setor de Imunizações na esfera da Secretaria Municipal de Saúde. Ela disse que a principal modificação ocorreu na transmissão de dados que, a partir de agora, ocorrerá eletronicamente e, para tanto, alguns critérios novos precisarão ser obedecidos pelos usuários do Sistema Único de Saúde – SUS.

Kadidja Paiva frisou que, para implementar as citadas alterações, os vacinadores e outros servidores passaram por todo um treinamento, realizado em dezembro passado, na 2ª Unidade Regional de Saúde Pública – Ursap, em Mossoró. “É importante destacar que esta nova realidade ocorre em âmbito nacional, ou seja, não é apenas em Assú que está ocorrendo”, esclareceu. Frisou que, dentro desta nova realidade, qualquer pessoa que precisar de um serviço nas unidades de saúde – curativo, vacina, consulta médica, preventivo, pré-natal, etc. – terá que necessariamente ser portador do Cartão do SUS.

A técnica reiterou que esta obrigação é para todos indistintamente. Até mesmo os bebês recém-nascidos. Por esta razão ela orienta aos pais que, assim que a criança nascer e for registrada em cartório, seja providenciada a imediata confecção do mencionado documento. “Não é mais possível, a partir deste novo sistema, realizar vacinação sem que o usuário – criança, jovem ou adulto – esteja de posse deste Cartão do SUS”, reforçou. Advertiu que, sem seguir estas regras, o município corre o risco de ser privado de transferências federais para a saúde. Kadidja Paiva disse o cartão é feito na Central de Regulação do Centro Clínico Dr. Ezequiel Epaminondas da Fonseca Filho, em Assú.

Imagem: Reprodução/Assessoria